quarta-feira, 17 de julho de 2013



Era um dos meus atores preferidos. Aquele que prometia vingar no mundo das artes. Um príncipe encantado, como o costumava descrever. Simples, modesto, divertido. Morreu no passado sábado. Tinha 31 anos. E, é mais uma vítima das drogas.

Poderia chamar-lhe estupidez, mas por respeito chamo vício. Um vício tão irresistível como mortal. É a troca de umas horas de alucinações e estados de espírito incontroláveis por uma vida de 3 décadas.

Não percebo!

Como pode um vício, estragar uma vida? Como pode ser mais forte que o amor, que a família? Como é que uma simples substância pode destruir tudo aquilo por que lutamos uma vida em poucos segundos?
Uns meros momentos de prazer não substituem uma vida.


As Conversas da Sopa. Com tecnologia do Blogger.

A Sopa no Facebook

Todos os conteúdos deste site estão protegido pela lei internacional deCopyright e, não podem ser copiados, descarregados ou retransmitidos sem o consentimento prévio da autora.

Pesquisa

Estatísticas